Filmefobia - Grande Vencedor do Festival de Brasília

Filmefobia - Grande Vencedor do Festival de Brasília- será lançado dia 1º de maio em circuito comercial

Exibição especial no IPLA

Domingueira de 26 de abril de 2009

O primeiro longa-metragem de ficção de Kiko Goifman entrará em cartaz em várias cidades brasileiras no dia 1º. de maio de 2009. Contando com Jean-Claude Bernardet como ator principal, o filme participou de importantes Festivais Internacionais (Locarno, Rotterdam, Copenhagen, Cuba etc.) e foi o vencedor de cinco candangos em Brasília (Melhor Filme do Júri Oficial; Melhor Filme da Crítica; Melhor Montagem; Melhor Ator e Melhor Direção de Arte). FilmeFobia ganhou o Script Development Award do Fundo Hubert Bals e participou do Cinemart Film Market no Rotterdam Film Festival em 2007. Foi contemplado com o prêmio de produção do World Cinema Fund (ligado ao Festival de Berlim).

Sobre o tema

Fobia de avião, talassofobia (medo do mar), fobia de cobras, fobia de sangue, fobia de agulhas, fobia de pombos, fobia de penetração, fobia de botões. Jean-Claude Bernardet (um dos principais estudiosos de cinema do Brasil) atua no filme como Jean-Claude, o diretor de um documentário que explora os limites psicológicos, contrapondo a fobia das pessoas com situações fortes, emocionalmente violentas. A principal idéia do diretor do documentário que acontece dentro do filme é que a única imagem autêntica hoje em dia é a de um ser humano em contato com a sua própria fobia. Os gestos erráticos e fora de controle dos fóbicos trariam a verdade da imagem. “FilmeFobia” se constrói como um making of deste documentário fictício.

Sobre Personagens, Fóbicos, Atores e Participações Especiais

No elenco do filme participam fóbicos reais, atores e atores que possuem fobias. O grupo que está ao lado de Jean-Claude na experiência é composto por pessoas que também trabalham na parte técnica do filme. O músico Lívio Tragtenberg (autor de trilhas sonoras para filmes de Tata Amaral, Júlio Bressane etc.) interpreta um irônico captador de som direto e executa a trilha do filme ao vivo. Cris Bierrenbach (artista com diversas exposições e performances) além da direção de arte do filme, atua como a fotógrafa do experimento. Hilton Lacerda (roteirista de filmes como Baile Perfumado e Amarelo Manga entre muitos outros) é o responsável pelo roteiro e também é o encarregado de fazer um diário online (ver o diário em www.filmefobia.com.br). Ravel Cabral, ator, é o calado ajudante de Jean-Claude nas imobilizações das pessoas. O filme conta com as partipações especiais de Zé do Caixão e do psicanalista Ariel Bogochvol.

Sobre Documentário e Ficção

Por onde passa, “FilmeFobia” vem levantando polêmicas. Um fato curioso: embaralhando gêneros, o filme já participou em festivais de sessões integralmente dedicadas a filmes de ficção, mas também já esteve presente em festivais só para documentários. Segundo o diretor Kiko Goifman “o filme é de ficção, mas não vejo o menor problema que alguns queiram vê-lo como um documentário. Porém, se fosse um documentário, uma hora dessas eu e Jean-Claude já estaríamos na prisão”. Já para Jean-Claude Bernardet “o filme não pertence nem ao documentário e nem à ficção. Precisamos usar novos nomes para filmes como esse, talvez “autoficção”.

Sobre o Diretor

Kiko Goifman é antropólogo pela UFMG e Mestre em Multimeios/UNICAMP. Autor do livro e CD-ROM Valetes em Slow-motion. O tema central é a noção de tempo no cotidiano carcerário. Esse CD-ROM ganhou o 7º Grand Prix Möbius em Paris/98 e é uma obra adquirida pelo acervo do Centro Georges Pompidou. Entre seus filmes mais recentes destacam-se 33, longa-metragem que ficou entre os melhores filmes – votação do público – na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2003 e ganhou Prêmio de Melhor Roteiro do ano de 2004 no Cinema Paulista FIESP/SESI e Atos dos Homens que recebeu o Prêmio de Melhor Documentário no Festival de Nantes, França. Goifman recebeu homenagens e retrospectivas de seus trabalhos no Festival de Cinema de Tiradentes, Mostra do Audiovisual Paulista, Festival Latino Americano de Toulouse, Festival de Santa Maria da Feira (Portugal) e Festival de Tampere (Finlândia).

Produção (Brasil): Jurandir Muller (PaleoTV) e Beto Tibiriçá (Plateau Produções)
Co-produtores (Alemanha): Gudula Meinzolt e Paulo de Carvalho (Autentika Films) 
Argumento e Roteiro: Hilton Lacerda e Kiko Goifman
Direção de Fotografia: Aloysio Raulino
Direção de Arte: Cris Bierrenbach
Som e Músicas (feitas ao vivo): Livio Tragtenberg
Montagem: Vânia Debs

VEJA O CARTAZ DO FILME: FILMEFOBIA