Sábados no IPLA - Março/2015

Sábados no IPLA: 28/03/2015 28/03/2015

O Instituto da Psicanálise Lacaniana promoverá os Sábados no IPLA 2015, três no primeiro semestre e três no segundo. Será, em cada Sábado, um curso em cinco aulas, com temas clínicos, que sempre consideram a contemporaneidade.

O primeiro Sábado no IPLA 2015 ocorrerá em 28 de março e serão discutidas as duas clínicas de Jacques Lacan:

  • primeira clínica: a Clínica do significante
  • segunda clínica: a Clínica da consequência

As duas primeiras aulas tratarão da Clínica do significante. As três últimas apresentarão a Clínica da consequência, nos termos em que Lacan a propôs e que temos pesquisado.

Argumento

A clínica é soberana. Ela acompanha as mudanças de sua época e também pode antecedê-las, como fez Jacques Lacan. É a partir da clínica que a psicanálise muda. Mas, o que vale para ela, nem sempre se aplica aos psicanalistas. Lacan observou, por exemplo, que os fundamentos da psicanálise estavam sendo deturpados por alguns pós-freudianos. Não aceitou que a clínica se transformasse em tratamento adaptativo, nem genérico. Fez um retorno a Freud, não  como releitura,  mas como pesquisador de seus fundamentos e, assim, pôde mostrar essa deturpação. Apoiado na obra de Freud, especialmente em A Interpretação dos sonhos, e na linguística de  Saussure,  ele criou a clínica do significante. Era uma clínica do sentido e do simbólico, que respondia a um mundo com orientação vertical, voltada ao pai. Na década de 1970, somos surpreendidos com o início da globalização, a quebra das fronteiras, a passagem do mundo industrial para o globalizado, o avanço da tecnologia, e a horizontalização dos laços sociais. Esses acontecimentos levaram Lacan a realizar nova ruptura, destacando a importância da responsabilidade face ao inconsciente, originando  uma clínica do sintoma indecifrável, da consequência, do sem sentido, do incompleto, do Real.

O que fazer com esse canteiro em obras que Lacan nos deixou? É a tarefa que nos cabe, com vistas a uma clínica coerente com o século 21.

Programa

9h00 – 9h30: Café com bolo IPLA 

9h30 – 10h30: Aula Inaugural O inconsciente estruturado como uma linguagem – Claudia Riolfi
O inconsciente freudiano e o inconsciente lacaniano. Primazia do simbólico. O inconsciente é linguagem e nela derrapamos. Metáfora e metonímia. As palavras sabem se organizar. A linguagem, condição do inconsciente. Revisão da ética. Clínica do significante.

10h30 – 11h30: Aula 2 A direção do tratamento – Dorothee Rüdiger
Direção do tratamento. Classificações estruturais – neurose, psicose e perversão. Entrada em análise. Sintoma decifrável. Inconsciente transferencial. Crítica à contratransferência. Nome-do-pai. O desejo do homem encontra seu sentido no desejo do outro. Travessia da fantasia e final de análise.

11h30 – 12h00: Café com bolo IPLA 

12h00 – 13h00: Aula 3 Clínica da consequência – Elza Macedo
Do mundo moderno para o pós-moderno. Clínica pós-edípica. No início da análise, localização do ponto de gozo. O ato psicanalítico. A psicanálise em sua clínica. Curto-circuito do gozo e os novos sintomas. O neurótico tem medo das palavras, se envergonha.

13h00 – 15h00: Horário de Almoço

15h00 – 16h00: Aula 4 Suportar o sem sentido – Alain Mouzat
Orientação horizontal. Linguisteria. Furo do Real. Não há relação sexual. O corpo na economia do gozo e a clínica do Real. Transferência e o acesso que ela oferece ao amor. O Real não tem lei. Inconsciente Real. Certeza e vida qualificada. Rumo a um significante novo.

16h00 – 17h00: Aula de Encerramento Responsabilidade e desabonamento do inconsciente – Liége Lise
Princípio responsabilidade. Só existe análise do particular. Responsabilidade subjetiva diante do encontro e da surpresa. Verdade mentirosa. O final de análise e o sinthoma. Entusiasmo. Invenção e responsabilidade. Felicidade do acaso. Amizade. Novo amor.

Deixe uma resposta