Sábados no IPLA - Outubro/2015

Sábados no IPLA: 24/10/2015 24/10/2015

O Real Lacaniano do Corpo
Como analisar a vida?

O que é vida? O que é um corpo vivo? São perguntas simples que provocam respostas complexas.

Os biólogos classificam os corpos vivos. Examinam como funciona o metabolismo de animais, plantas e seres humanos. Já os médicos querem manter os corpos vivos em bom estado de funcionamento. Os juristas  debatem sobre a questão do início e do fim da vida, dado que estudam as normas da sociedade, as quais estabelecem “Não matarás!”

Qual é a contribuição da psicanálise para o debate sobre o  corpo, a vida e a morte?

Herdeira da medicina, a psicanálise nasceu quando as primeiras pacientes procuraram Sigmund Freud com dores no corpo para as quais não havia remédio. Eram sintomas no corpo que expressavam aquilo que, por pudor e  falta de palavras, não podia ser dito. Tratava-se de reminiscências, de mulheres histéricas, convertidas em enxaquecas, dores e paralisias nas pernas e nos braços. Os sintomas apresentavam-se para Freud como acontecimentos no corpo que remetiam ao desejo sexual infantil recalcado inconsciente.

Para a psicanálise, o ser humano sofre, desde os primeiros sinais de sua existência, com a civilização, seu “habitat” cultural. É a civilização que o protege das agressões da natureza. Mas, é também a civilização que o limita na procura de satisfação  de seu corpo. Sendo humanos, somos obrigados a falar, a expressar nossos afetos em palavras, o que não é possível, pois a língua está aquém de nossos desejos. Estamos aqui frente ao real, aquilo que é incapturável pela palavra e que se manifesta por meio do gozo. É função da psicanálise, através da palavra, capturar esse gozo. Assim, ela lida com um paradoxo em que se tem que apreender, pela palavra, aquilo que, por definição é indecifrável.

Sendo filhos da civilização, são seus avanços e retrocessos, seus benefícios e males que impregnam nossas vidas e nossos corpos.  Como destaca Jorge Forbes, hoje, não se nasce, não se vive e não se morre mais como há 100 anos. E o futuro promete uma verdadeira revolução em questões de vida e morte:  condições de viver além dos 100 anos de idade, juventude prolongada, inteligência multiplicada. Tudo isso, graças à tecnologia que, hoje, ainda é de ponta e amanhã será trivial.

Como, hoje e amanhã, encontrar uma resposta singular aos desafios da vida humana? Como viver com estilo, na juventude e na velhice? Como fazer da vida algo que vale a pena ser vivido?

Essas e outras questões formarão, nesse Sábado no IPLA,  o pano de fundo  para as aulas de sua equipe de professores.

Programa

9h00 – 9h30: Café com bolo IPLA 

9h30 – 10h30: Aula Inaugural Psicanálise no transumanismo – Jorge Forbes
Quem sou eu onde eu fui?

10h30 – 11h30: Aula 2 Vida qualificada – Claudia Riolfi
A palavra poética. Curto-circuito da palavra. Grande estilo. Zoé e Bios. Qualidade de vida e Vida qualificada. Honra e luxo. A falta de palavras emociona. Amor fati. Real e certeza.

11h30 – 12h00: Café com bolo IPLA 

12h00 – 13h00: Aula 3 O fenômeno da vida permanece impenetrável  – Alain Mouzat
Quando a vida começa? Saber do corpo. A vida é puro germen que se reproduz. Vontade de potência. O  corpo vivo é a condição  do gozo. A morte, enquanto temos relação com a morte na vida, só pode ser uma morte significante.  

13h00 – 15h00: Horário de Almoço

15h00 – 16h00: Aula 4 O corpo que se é e o corpo que se tem – Dorothee Rüdiger
O corpo na medicina e na psicanálise. Körper e Leib. O corpo doente pela verdade.  Só é possível uma análise porque se tem um corpo problemático? O corpo histérico. O analista como ensinante.

16h00 – 17h00: Aula de Encerramento A psicanálise equivoca para que a sexualidade ocorra – Liége Lise
Todo equívoco recobre o sentido na sexualidade.    Repúdio à feminilidade. Sintoma como acontecimento de corpo. Corporização. Da transmissão de razões à transmissão do ressoar. A interpretação só opera pelo equívoco.

Deixe uma resposta