Você escreve, a gente responde.

Não tem cadastro? Clique aqui é gratuito.

É muito tênue a linha entre não "ceder frente ao desejo" e o mero capricho, não é? Talvez só um trabalho de análise pessoal me ajudasse a discernir o meu desejo do meu capricho... rs

Data envio: 25/10/2015
Categoria: Meu Sintoma

É muito tênue a linha entre não "ceder frente ao desejo" e o mero capricho, não é? Talvez só um trabalho de análise pessoal me ajudasse a discernir o meu desejo do meu capricho... rs

Pseudonimo: vinicius

Oi Vinicius,

A linha é tênue, sim. Até porque “caprichos” costumam ganhar o julgamento de algo que não responde a lógica do custo-benefício. O desejo também não responde a essa lógica.

O desejo não é sinônimo de querer. É o que não se explica, mas move suas escolhas. É singular, paradoxal, expressão da subjetividade de cada pessoa.

Uma análise ajuda a sustentar as escolhas pautadas no desejo, por vezes, estranhas e paradoxais.

Agradeço sua pergunta.
Liége Lise

Respondido por: Li�ge Lise

Clique aqui para visualizar outras perguntas desta categoria.

Clique aqui para voltar à página inicial da seção Alô, Psicanálise.

Veja Também
Quando a Repetição Traz o Novo Quando a Repetição Traz o Novo
10 anos de Psicanálise no Genoma 10 anos de Psicanálise no Genoma
Efeitos das tecnociências nas famílias Efeitos das tecnociências nas famílias
A psicanálise não interpreta Michael Jackson A psicanálise não interpreta Michael Jackson